“Nada existe pra mim, não tente; Você não sabe e não entende.”
“Você fez o que fez, ciente de que uma hora ou outra iria chegar no meu limite. E chegou. Desculpa por ter prometido que iria ficar, mas eu cansei das tuas infantilidades e dessa tua cabeça dura, que nunca me entende. E apesar de tudo, mesmo sem querer, vou te carregar comigo, na memória e no coração.”
“Eu não devia ter deixado transparecer que te amava, as pessoas não dão valor para o que tem na mão. Mas o que eu ia fazer, se até uma criança olhando meus olhos veria o quanto eu estava apaixonado.”
“Quando eu estiver prestes a morrer, doarei meu coração para aqueles que querem viver apaixonados, doarei meus rins enferrujados que aguentam bastante para aqueles que apreciam um bom gole num sábado à noite, doarei meu estômago para aqueles que ainda não sabem o que é ter borboletas nele quando se vê alguém surpreendente, doarei meus olhos que já viram coisas exuberantes para aqueles que amam enxergar além do que se pode ver. Não sei dizer ao certo, mas eu tenho uma necessidade enorme de deixar com cada pessoa uma parte boa dessa minha vida medíocre, e levar pro túmulo tudo de ogro e ruim que cativei com as consequências.”
“Você já teve uma crise de choros do nada? Sem nenhum motivo aparente? Mas depois, em meio as lágrimas os motivos vão aparecendo e você percebe que tem tantos motivos para chorar, tanta coisa guardada, que você negava para si mesmo sentir. As lágrimas que no começo eram lentas e quase inexistentes dão espaço a lágrimas desesperadoras, lágrimas contínuas e que dão a impressão que nunca acabarão. O que no começo parecia um choro bobo, se torna em uma tempestade de sentimentos acumulados.”
“Não dói mais. Agora me dói não doer. A ferida aberta era uma forma de te sentir ainda comigo, mesmo sendo da pior forma possível. Eu sempre quis que essa dor cessasse, mas tinha medo da cura. Sabia que seria inevitável impedir que esse dia chegasse. Chegou. E, com isso, você se foi definitivamente. O que te manteve cravado em minha pele se esvaiu. Minha única memória fixa perdeu as formas, os gostos, os cheiros, as lembranças, o toque. Acabou, passou, não dói mais. A ferida se fechou e agora só me resta a cicatriz que, mesmo sendo uma forma de lembrar você, já não dói. É só uma prova de que um dia já senti. Mas, quem garante? A dor quando passa parece que nunca existiu; os amores esquecidos parecem que jamais foram vividos. A cicatriz é indolor. Não te sinto mais comigo.”
As pessoas mudam basicamente por duas razões: Porque aprenderam demais ou porque sofreram o suficiente. (Fonte: se-eu-pudesse, via sou-guerra)

As pessoas mudam basicamente por duas razões: Porque aprenderam demais ou porque sofreram o suficiente.

“É péssimo quando se prende demais a alguém, pois quando te soltam, você cai.”
“Vá com calma, talvez tudo seja mentira, ilusão. Acorda menina, palavras doces deixam o coração de fato bobo e cegam a razão. É um erro achar que todos aqueles dizeres foram escritos especialmente para você, sob medida, mas não, foram feitos para você e outras tantas.”